PISTAS PARA O TESOURO

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

O som do desejo

Quando ela finalmente chegou foram para o carro dele, que tinha bancos "mais adequados à função sexual", como costumavam ironicamente dizer. Infelizmente, àquela hora o parque de estacionamento tinha muita gente a entrar e a sair e ela não podia arriscar um escândalo tão perto da empresa onde trabalhava. Ir para outro lugar, por exemplo até ao mar, não era possível, pois tinham um compromisso inadiável daí a uma hora e meia. "Vamos ter que passar sem a fodinha propriamente dita", lamentou ele. "Sim, mas não substimes a minha boquinha", disse ela enquanto lhe apalpava o pénis e lhe desapertava as calças. Ele conduziu o carro até a uma zona menos iluminada do parque de estacionamento. "Eu adoro os teus broches, meu amor. Mas - o que queres? - a minha picha tem umas saudades desgraçadas da tua cona... Paciência! Por sorte, a minha língua e os meus lábios também têm saudades dessa gruta peluda..." Um gemido de prazer próximo do grito que não conseguiu conter interrompeu a sua promessa do "minete mais intenso da história".  Ela parou durante dois segundos, mas depois continuou a chupar-lhe o pénis mesmo antes dele se certificar se havia alguém por perto que pudesse ter ouvido o sinal sonoro do desejo irreprimível que os ligava um ao outro.

6 comentários:

  1. Hum... essa urgência do outro sabe sempre tão bem.

    ResponderEliminar
  2. Numa noite quente e cheia de tesão estava necessitada de um duro e quente "rolinho de carne" bem dentro da caverna húmida do amor, entrou num barzeco e, foda-se!!, que moço lindo, uma autêntica obra de arte, perfeito e, saltava ás vistas, lindo, lindo, lindo! Um Adônis único com todas as letrinhas do desejo e tentação. Aproximei daquela montanha de beleza e tentei a sorte: -Você quer..., -ainda nem tinha bem articulado a palavra seguinte e já aquele corpão de bronze suado me arrastava para fora do bar. Meio desmaiada de emoção, recobrei meus sentidos num quarto excelente de hotel. Vá livrando da roupa, disse o pedação, e eu livrei, ficando nuinha e brilhando num calor intenso entre minhas coxas que já se escancaravam para receber o “rolão duro de carne”. Quando o gatão começou a despir-se...

    O restinho???, nã, nã... só lá no se7e/5!

    ResponderEliminar
  3. Obrigada, meu querido!
    Eu amo você, assim como a este ser humano!!!
    Só que você é especial!!!!
    Beijos mil da Rêloirinha*************************
    Lindos dias sempre*******************

    ResponderEliminar
  4. altamente sensual!
    Vim agradecer a visita e me deparei com uma leitura que faz a gente, mesmo de burka :) , a ter vontades!
    Abraços menino!

    ResponderEliminar