PISTAS PARA O TESOURO

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

A força da gravidade

O carro travou violentamente e parou a 10 centímetros de Tomé. Este tinha atravessado fora da passadeira e imobilizara-se antes de chegar ao passeio. E ali permaneceu, estático como uma estátua, a observar uma mulher que se debruçara sobre a fonte que havia no jardim para apanhar um brinquedo que o filho para lá atirara. Era um puto loiro e reguila, com cerca de 4 anos, que em bicos dos pés espreitava para a água. Repetia “cuidado mamã, não caias”, fingindo não ouvir as invectivas da mãe: “é a terceira vez que fazes isto”, estava ela a dizer quando o carro travou.
Mas Tomé mal reparou nesses pormenores e o elemento de ternura da cena escapou-lhe completamente, pois a sua atenção estava presa desde o primeiro olhar no traseiro empinado da mulher. Era alta e tinha coxas volumosas mas proporcionadas, encimadas por um rabo arredondado e cheio, que a postura inclinada tornava ainda mais proeminente. As duas nádegas desciam para um vale profundo e estreito onde as calças de ganga, e por baixo delas as cuecas, se enfiavam, como se ali a força da gravidade fosse maior do que no resto planeta. Aquela imagem da roupa colada à pele e enfiada no rego do rabo fez o pénis de Tomé crescer e enrijecer e a espectacular travagem a 10 centímetros das suas pernas não foi suficiente para perturbar uma erecção tão bem justificada.
Tomé olhou para o condutor, indiferente aos seus gritos e gestos de ameaça. Saltou para o passeio e deu dois passos em direcção à mulher, que tirara o brinquedo da água e se voltava. Os seios não desmereciam o traseiro, mas Tomé mal olhou para eles. A decepção abateu-se sobre ele com mais força do que o carro o teria feito e quase o fez cair. A mulher tinha um rosto indescritivelmente feio. Aquela terna mãe era dona de um corpo de encher o olho, mas era feia como a própria fealdade. “Um rosto belo é fundamental”, pensou o desolado Tomé, enquanto se afastava com o pénis já murcho e triste.

26 comentários:

  1. Vim retribuir a sua visita e agradecê-la.
    Li este seu texto e fiquei triste, toda a beleza do erotismo e da sensualidade que lhe põe no início, anula-a com a falta de sensibilidade para apreciar uma mulher no seu total.
    A beleza exterior atrai, claro que sim! É um retrato! Mas quantas vezes esse retrato não é sinal de maldade, mentira, desprezo pelos seus semelhantes, pobreza de sentimentos...
    Desejo que o texto seja ficcionado e que o Tomé seja um cínico que sinta na carne e na alma, o desprezo que merece.
    Abracinho

    ResponderEliminar
  2. Ñ creio q eu esteja sendo injusta com o meu passado.
    O que foi bom eu sinto saudades o q ñ foi,minha pretensão é ignorar e quando eu consigo é um alívio.
    Gostei da sua postagem,altamente bom.
    Um lindo dia.
    Beijokas.

    ResponderEliminar
  3. Vim agradecer imensamente sua visita!!

    Um abraço!!

    ResponderEliminar
  4. Olá Jaime,
    Gostei do teu comentário lá no meu blog,e gostei também muito do teu blog,e especialmento deste texto. Só não sou já teu seguidor,porque sou seguidor de 220 blogs e tenho só 118 seguidores, e então a partir dos 100 seguidores fiz um contrato comigo mesmo, só ser seguidor daqueles que primeiro serem meus, estou farto de por maozinhas por ai e depois não ter o retorne de nada.
    Se quiseres passar por lá eu respondi ao teu comentário

    abraço

    ResponderEliminar
  5. Agradeço a sua visita ao meu blog. Assim que me for possível, farei uma leitura atenta do seu espaço.



    =))

    ResponderEliminar
  6. Boas, vim retribuir e agradecer a sua visita lá no meu Lado, apesar do pouco interesse que o futebol parece despertar-lhe. A mim acontece-me o mesmo com a política, pelo que poucas probabilidades teria de encontrar nesse espaço qualquer indício de pena por qualquer político, especialmente pelo visado nas suas palavras. Prometo voltar com mais tempo, pois os temas aqui presentes parecem-me bem mais interessantes que qualquer um dos acima mencionados. Um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde meu anjo...agradecendo tua presença no meu espaço.Quanto ao texto há de se entender o Tomé, se ele não conhecia a mulher , o seu interior e foi atarído pelo físico é normal que ao ver o rosto tudo tenha desmoronado.Diferente de quando se conhece a pessoa pelo seu interior. Muito bom o texto.

    Um bom Carnaval....beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. Jaime... a propósito do seu comment no meu blog.

    Sou de direita. Votei PP. Compreendo perfeitamente o que diz. Sou totalmente de acordo. Acho que o estado, deve ser um regulador e não patrão.

    Eu só me insurjo contra quem, como regulador, permite que determinadas coisas ocorram.

    No caso especifico do meu texto, a ideia não era atacar o Vítor Constâncio, mas sim utiliza-lo como representante de uma classe, onde infelizmente existe muita coisa a necessitar ser corrigida. Ou seja, melhor regulada.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Ola.Venho agradecer e retribuir a visita.
    Voltarei para te ler como mereces, atentamente.

    Beijo e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  10. Como disse há pouco tempo no meu blog, quando uma boa crica não vem acompanhada de uma boa fronha, só lhe enfiando um saco nas fuças ou fodê-la à canzana...

    Mas mesmo assim, acaba por aborrecer...

    http://boacricaboaqueca.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  11. Tomé teria ficado muito feliz se não tivesse visto o rosto da donzela! HAHAHA !

    beijos!

    Bom Carnaval !

    ResponderEliminar
  12. olá jaime,
    saudades desculpe estou viajando por conta do carnaval. o seu texto esta fantastisco

    otimo carnaval.
    bjos.

    ResponderEliminar
  13. Vim te desejar um excelente domingo!


    Beijos no core!

    ResponderEliminar
  14. ahahahaah! sempre podia tentar uma canzanazita...

    ResponderEliminar
  15. Obrigada pela visita e comentário.
    Tenho pena das pessoas limitadas, e seu personagem é limitado.
    A beleza é um conceito, o que pode ser feio para um pode ser belo para o outro. A pobreza de espírito às vezes limita uma pessoa a dar um passo a mais em busca da felicidade.

    Quanto ao cheirinho do pescoço, particularmente me excita aquele bem na curva onde o pescoço se transforma em ombro, um lugar onde o cheiro de nenhuma pessoa é igual ao da outra, é onde reside um perfume natural, único, é tão distinto tanto quanto uma impressão digital Não sabias?
    As pessoas mais sensíveis conseguem sentir esse perfume natural e, quando um homem é verdadeiramente homem pode buscar na sua companheira esse local onde o cheiro é mais concentrado, porém diferente do da cona que é bem mais embaixo of course rsrs
    Bye

    ResponderEliminar
  16. Jaime,tudo bem?
    Texto interessante, só vindo a confirmar que: quem ama o feio, bonito lhe parece(expressão muito usada por nós).
    Sopros de confetes,
    Brisa

    ResponderEliminar
  17. Hum... vou considerar que este texto nada tem a ver com os anteriores... para não quebrar o erotismo. ;)

    ResponderEliminar
  18. Obrigada pela visita e volte sempre por lá.
    Beijos Tempestuosos!

    ResponderEliminar
  19. Taí a prova de que beleza é fundamental, infelizmente. Muito bem escrito!

    Beijos

    ResponderEliminar
  20. A partir de hoje este será um espaço para acompanhar!

    Obrigada pela visita!

    Beijo meu ****

    ResponderEliminar
  21. É pena!! Claro que o Tomé não a conhecia e o que sentiu foi apenas resultado do afluxo hormonal.
    Não que esteja certo, mas muitas vezes é o que acontece... ou a maior parte delas. Ela até podia ser uma excelente pessoa, mas com cara feia não serve! Triste! Embora real.

    ResponderEliminar
  22. Como já dizia o nosso eterno poeta: "As feias que me desculpem, mas beleza é fundamental"...
    A não ser que conheçamos as pessoas por dentro, primeiramente... Aí sim, a chance de sublimarmos a beleza exterior, aumenta consideravelmente! Sinto muito, mas creio ser a mais pura das verdades: a feiura afasta!
    Muito bem escrito o seu texto, parabéns, Jaime!
    Bj
    Helô

    ResponderEliminar
  23. «Ou se tem chuva e não se tem sol,...
    Ver mais ou se tem sol e não se tem chuva!
    Ou se calça a luva e não se põe o anel, ou se põe o anel e não se calça a luva!
    Quem sobe nos ares não fica no chão, quem fica no chão não sobe nos ares.
    É uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo nos dois lugares!
    Ou guardo o dinheiro e não compro o doce, ou compro o doce e gasto o dinheiro.
    Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo... e vivo escolhendo o dia inteiro!
    Não sei se brinco, não sei se estudo, se saio correndo ou fico tranquilo.
    Mas não consegui entender ainda qual é o melhor: ou isto ou aquilo.»

    de: Cecília Meireles

    Um abraço

    ResponderEliminar
  24. Quem vê rabos não vê corações...

    Obrigada pela visita

    ResponderEliminar